"Um pouco brasileira", queniana tenta confirmar favoritismo na São Silvestre

30/12/2014 13:07

Adaptada ao Brasil, Nancy Kipron conta com o apoio da família na tradicional corrida de São Paulo e aprende português: "Sei apenas um pouco".

 
 

“Bom dia. Tudo bem. Obrigada. Beleza.” Meio acanhada, Nancy Kipron revela aos poucos as palavras que aprendeu em português. A queniana fica tímida em frente a câmeras, microfones e gravadores, mas se sente à vontade nas corridas de rua do Brasil, principalmente na São Silvestre. Ano após ano, ela figura entre as favoritas e conseguiu seu título na edição de 2013 da tradicional prova de 15km de São Paulo. Nesta quarta-feira, Nancy espera que seus anos de treinamento no interior do Paraná possam fazer a diferença para ela levá-la mais uma vez ao topo do pódio.- Sou um pouco brasileira sim. O Brasil é muito parecido com a minha terra, o Quênia. A comida e o clima são mais ou menos os mesmos. Estou completamente adaptada. Eu morei no Brasil por quase seis anos, entre idas e vindas. Mas eu não sei português de verdade. É uma língua difícil para mim. Sei apenas um pouco - disse Nancy.

A atual campeã trouxe consigo dois torcedores especiais, direto do Quênia. A filha Victoria, de apenas cinco anos, não desgruda da mãe corredora, que conta com o apoio do marido Joseph para cuidar da garota em São Paulo. Favorita ao título da São Silvestre, Nancy sabe que precisará de um grande suporte para conseguir o bi, afinal a corrida desta quarta-feira contará com a presença de fortes concorrentes. O páreo maior é com as compatriotas Maurine Kipchumba (campeã de 2012) e Priscah Jeptoo (campeão de 2011, prata na maratona do Mundial de 2011 e também prata na maratona das Olimpíadas de Londres, em 2012). Também estão no páreo as brasileiras Sueli Pereira da Silva, Cruz Nonata e Joziane Cardoso.- Meu objetivo é manter o título. Eu acredito que este ano nós temos a competição mais forte de todos os tempos.  Estou bem animada. Isso torna a prova ainda mais emocionante. Vou tentar o meu melhor - disse a queniana.

Em 2013, Nancy completou a prova em 51min58s para levar o ouro, fruto, em partes, de um trabalho psicológico. Em outras edições da São Silvestre, a atleta sofria com a pressão de ser a favorita, mas “mudou a cabeça” para vencer no ano passado. Ela conta que manteve a receita de treinos para o corpo e para a mente. Não mudei minha preparação. Fiz um treinamento específico para esta prova, porque quero o topo do pódio. É uma prova que gosto muito e que me motiva demais - disse Nancy. 

A elite feminina da São Silvestre tem largada na quarta-feira, às 8h40 (de Brasília), na Avenida Paulista. Vinte minutos depois, a elite masculina e os atletas amadores iniciam a prova no mesmo local. A TV Globo transmite a corrida ao vivo a partir das 9h, e o GloboEsporte.com acompanha tudo em Tempo Real.partir das 9h, e o GloboEsporte.com acompanha tudo em Tempo Real.