Adriana conquista prata na abertura do Atletismo no PAN de Toronto

19/07/2015 08:59 Apesar das dores no músculo posterior da coxa direita e os pés um pouco machucados, nada tirou a alegria da paulista Adriana Aparecida da Silva na manhã deste sábado (dia 18). Ela deu ao Atletismo do Brasil, em sua estreia nos Jogos Pan-Americanos de Toronto, a medalha de prata ao completar a maratona em 2:35:40. A outra brasileira da prova, Marily dos Santos, foi a quinta colocada, com 2:41:31.

Campeã em Guadalajara, em 2011, ela comemorou muito o vice-campeonato e o segundo pódio do PAN. "Sabia que teria adversárias fortes e que o percurso seria duríssimo. Corri dentro da estratégia traçada de manter o meu ritmo e deu certo", lembrou a atleta nascida na cidade de Cruzeiro, no dia 22 de julho de 1981. "Este é o tipo de prova que tem de se correr com a cabeça para não ficar fora", observou.

A prova foi disputada num circuito de 10 km, em quatro voltas, mais um percurso complementar feito na largada, dada às 07:05 no horário local, na bonita área do Ontário Place Weste Channel. Com umidade relativa do ar em torno de 90% e uma temperatura que alcançou os 24 graus, com sol, o circuito teve parte dentro de um parque, com cerca de 2 km de subida. "Acho que o pessoal se assustou um pouco com o percurso e a prova começou com um ritmo muito fraco, mas foi crescendo, especialmente a partir do km 22", lembrou Adriana, que melhorou do oitavo para o segundo lugar em seu ritmo.

Além do percurso, a brasileira sabia que teria de enfrentar duas peruanas fortes: Gladys Tejeda e Inés Melchor. Gladys confirmou o favoritismo e venceu os 42,195 km, com o tempo de 2:33:03, novo recorde do Pan-Americano. Adriana também correu abaixo da marca de 2:36:37, que era dela desde Guadalajara. Já Inés abandonou a prova. A medalha de bronze foi para a norte-americana Lindsay Flanagan, com 2:36:30.

A maratona contou com 17 corredoras inscritas e apenas 11 conseguiram completar a distância.

Felicidade - Adriana, que ainda disputará a maratona do Mundial Militar em outubro, na Coreia do Sul, ratificou o índice para os Jogos Olímpicos Rio 2016. Ela fez questão de agradecer a todos a que a apoiaram e especialmente ao técnico Cláudio Roberto de Castilho. "Temos uma parceria de 10 anos com ele. Às vezes, ele acredita mais em mim do que eu mesma e isso me dá muita força", comentou, já com a medalha no pescoço.

O primeiro abraço de Adriana após completar a prova foi dado em Cláudio. "Ela é uma atleta esforçada, que gosta de percursos variados, como o daqui. Fez uma boa preparação, em especial no período em que ficou em Paipa, na Colômbia, treinando a 3.200 m de altitude em relação ao nível do mar", disse. 

Para 2016, Cláudio pretende levar Adriana para fazer um estágio nos Estados Unidos, onde participará de provas mais curtas. A expectativa é fazer uma maratona em fevereiro, no Japão, ou em março, na Europa, e depois focar tudo na Olimpíada. "Ela vai buscar melhorar o recorde pessoal de 2:29:77 no Rio", completou.

O Brasil participará do torneio de Atletismo do PAN com uma equipe de 80 atletas.