Atleta do AM é a primeira brasileira a correr ultramaratona Grand to Grand

05/11/2013 21:44

Prova de 273 km é realizada no deserto do Arizona (EUA). Amazonense Rita de Cássia começou a correr para curar depressão, há 10 anos

Aos 46 anos, Rita de Cássia marcou seu nome onde nenhuma outra brasileira conseguiu. A amazonense foi a primeira representante do país a embarcar em uma das maiores aventuras disponíveis para os amantes de uma boa corrida: a Ultramaratona Grand to Grand. Foi lá, no Arizona (EUA), no fim de setembro deste ano, que a corretora de imóveis participou da prova de 273 km, divididos em seis dias de prova.

Há cerca de dez anos, quando resolveu mergulhar no mundo dos esportes, a cabeça de Rita não buscava os benefícios que os novatos usualmente buscam na prática de exercícios. À época, seu marido havia acabado de falecer e ela estava desempregada, com dois filhos. Na sua primeira prova – sem nunca antes ter experimentado a corrida – completou 65 km.

- Eu via na corrida uma forma de me matar. Eu não tinha coragem de fazer nada contra mim mesma e eu já tinha ouvido que correr fazia mal para o coração. Pode até parecer uma coisa meio idiota, mas meu raciocínio foi justamente esse: “Vou para a rua e correr até eu ter um troço, até meu coração pifar” – relembra emocionada.A descarga de endorfina, no entanto, mostrou para Rita novos horizontes. Ela conta que assim que começou a correr encontrou o “alívio” que buscava. “Foi o sentido inverso (do que eu imaginava). Eu corri, corri, corri e no final de tudo eu me senti tão aliviada que eu pensei: 'Meu Deus do céu! Me achei!' Nunca mais parei de correr”.

Após a ‘descoberta’ da corrida, dez anos se passaram até que Rita embarcasse para os Estados Unidos em busca do maior desafio. A prova de 273 km possui, além de extensas caminhadas, escaladas em montanhas e cânions. O clima da região também foi outro obstáculo. De volta a Manaus e recuperada da prova, que completou em 61 horas, a amazonense relembra os dias no Grand to Grand.

- A cada dia você tem que completar uma etapa. São subidas em montanhas de três mil metros e 2.800 de altitude. Você enfrenta muito frio também. À noite, a temperatura média é de -5°C e na manhã chega a 45°C. Fui de um extremo a outro – relatou Rita.