Braz, Murer e Duda lideram equipe, e CBAt sonha com medalha em Sopot

28/02/2014 09:42

Dirigente da confederação diz que desempenho no Mundial Indoor não interferirá nos planos para as Olimpíadas de 2016: ‘Não estamos preocupados com classificação’.

As estrelas do atletismo estão prontas para brilhar em Sopot. Ainda que alguns astros internacionais não prestigiem o ambiente indoor, a competição entre os dias 7 e 9 de março é um Mundial. Por isso, a delegação brasileira contará com seus principais atletas, mas só eles. Liderada pelos saltadores Thiago Braz, Fabiana Murer e Mauro Vinícius da Silva, o Duda, a equipe verde-amarela terá apenas sete representantes na Polônia. A CBAt não coloca metas de medalhas para o time enxuto, mas vislumbra um pódio.

- Estamos indo ao Mundial com sete atletas. Entre eles esperamos uma excelente participação do pessoal do salto com vara e também uma boa participação do Duda no salto em distância. É o que temos para hoje. Nosso sonho é trazer uma medalha - disse Antonio Carlos Gomes, superintendente de alto rendimento da confederação.

Campeão mundial juvenil, Thiago Braz é o brasileiro mais próximo de um pódio em Sopot. Sem contar com a concorrência do recordista mundial Renaud Lavillenie - o francês lesionou o pé recentemente - o garoto figura na quarta posição do ranking mundial indoor ao bater o recorde sul-americano do salto com vara (5,76m). A antiga marca continental pertencia ao amigo de infância e companheiro de equipe Augusto Dutra. Finalista do Mundial de Moscou no ano passado, ele se recuperou de uma lesão a tempo de competir na Polônia. Com um título da competição no currículo, Fabiana Murer completa a lista do salto com vara brasileiro e com chances de medalha. Ela é apenas a 11ª do ranking, mas venceu o Pole Vault Stars neste mês.

Atual campeão mundial indoor, Duda terá muito trabalho para bater o russo Aleksandr Menkov, ouro no Mundial de Moscou. Completam a delegação brasileira Anderson Henriques (400m rasos), Keila Costa (salto triplo) e Franciela Krasucki, que quebrou o recorde sul-americano dos 60m rasos na sua estreia em provas indoor, neste mês.Finalista do arremesso de peso nas Olimpíadas de Londres, Geisa Arcanjo até fez o índice no ano passado, mas não foi convocada pela CBAt por não estar treinando em alto rendimento no momento. A velocista Ana Claudia Lemos, por sua vez, optou por não ir ao Mundial e focar nos treinos da temporada outdoor, de olho em bons resultados em 2015 e 2016.

O caminho de Ana Claudia é o mesmo de várias estrelas internacionais, como o jamaicano Usain Bolt. A delegação francesa, por exemplo, terá o mesmo tamanho da brasileira. Por isso, o sucesso ou o fracasso de um brasileiro em Sopot não servirá de parâmetro no planejamento da CBAt para os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, em 2016.

- É um Mundial mais ameno, tanto que estamos indo com sete atletas apenas. A pista coberta tem sua particularidade. Não temos pista coberta no Brasil. Esse Mundial não interfere no nosso planejamento para as Olimpíadas, mas o que é bacana é que não deixa de ser um Mundial. Nas provas de saltos, estarão lá os melhores do mundo. Você vai criando o hábito de nossos atletas competirem em alto nível. Não estamos preocupados em classificação, estamos preocupados em melhorar os resultados individuais - disse Antonio Carlos Gomes.Na história do Mundial Indoor, o Brasil tem três ouros - além de Duda e Fabiana, José Luiz Barbosa foi campeão nos 800m rasos em 1987 -, cinco pratas e seis bronzes. A delegação verde-amarela foi ao pódio nas últimas seis edições da competição bienal.