Brilho de Shelly-Ann e vitória no photo finish marcam último dia do Mundial

09/03/2014 19:15

Americano Omo Osaghae vence os 60m com barreiras com um centésimos de segundo à frente do francês Pascal Martinot-Lagarde.

O último dia do Mundial em pista coberta de Sopot foi marcado pelo brilho da jamaicana Shelly-Ann Fraser-Pryce e da etíope Genzebe Dibaba. Uma é a rainha das provas rápidas, a outra, das de fundo. No entanto, foi uma vitória por um centésimo de segundo que chamou atenção neste domingo, na Polônia. Foi preciso do photo finish - a imagem da chegada - para dar o título dos 60m com barreiras para o americano Omo Osaghae, que bateu o francês Pascal Martinot-Lagarde.Enquanto esperavam pela confirmação do resultado, o americano e o francês brincaram com a situação e até pousaram para fotos como se os dois dividissem o título. Só depois Osaghe foi coroado campeão com a marca de 7s45, a melhor do mundo neste ano. Também francês, Garfield Darien também completou a prova colado na dupla e ficou com o bronze apenas dois centésimos de segundo atrás do americano.

Na outra prova de velocidade do dia, Shelly-Ann brilhou. Se Usain Bolt reina absoluto nas provas de velocidade, a jamaicana vai se consolidando como a rainha das provas curtas. Bicampeã olímpica dos 100m rasos, ela estendeu seu domínio conquistando o ouro também nos 200m rasos e no revezamento 4x100m rasos no Mundial de Moscou, no ano passado. Neste domingo, ela se tornou campeã também na prova dos 60m rasos no Mundial em pista coberta de Sopot, na Polônia. Shelly-Ann cravou a marca de 6s98 – ela é a única mulher a correr a prova em menos de 7s neste ano.Apelidada de Foguete de Bolso por ter apenas 1,52m, Shelly-Ann não era favorita neste domingo. A marfinense Murielle Ahouré era a líder do ranking mundial e tinha sido a melhor na semifinal. Só que a jamaicana não é chamada de Bolt de Saias à toa. Ela teve uma ótima largada e dominou a prova, com a rival na sua cola.

Outra estrela que brilhou no último dia de competições em Sopot foi a etíope Genzebe Dibaba, que confirmou o favoritismo e levou o ouro nos 3.000m. Ela já bateu o recorde mundial da prova por três vezes neste ano, e esperava-se um novo show. A etíope venceu, mas o tempo de 8m55s04 ficou longe dos 8m16s60 que ela fez em Estocolmo no começo de fevereiro.