Calor castiga atletas da São Silvestre, e tanzaniana sai carregada de maca

31/12/2014 14:32

Após atendimento médico, africana se recupera de cansaço intensificado pela alta temperatura na capital paulista durante a corrida. Amadores sofrem com desidratação

 

Nem todos os corredores que cruzaram a linha de chegada da São Silvestre, nesta quarta-feira, tiveram forças para comemorar. O calor castigou alguns participantes da tradicional corrida de rua de São Paulo. Tanto amadores como profissionais sofreram. A tanzaniana Failuna Matanga, sétima colocada, mal pôde ficar de pé após completar os 15km da prova e teve de ser retirada de maca. A cena se repetiu várias vezes durante o dia.

Apesar de assustar na chegada, a tanzaniana Matanga ficou pouco tempo no posto médico da São Silvestre, apenas cerca de 30 minutos. Ela se recuperou do cansaço da prova e foi ao hotel poucas horas depois da corrida.

- A prova feminina deste ano foi muito disputada. Por isso elas ficam muito cansadas. Mas ela é uma profissional, se recupera mais rápido. Elas estão mais preparadas para esse tipo de situação - explicou Alexandre Augusto Ferreira, diretor médico da prova há 13 anos.

- Os africanos sempre reclamam do calor. Para mim, não faz tanta diferença. Se estivesse mais quente seria até melhor para mim - disse Giovani dos Santos, melhor brasileiro na prova, com a quinta colocação.Na largada, a termômetro apontava 23°C, mas o calor cresceu durante a prova. Alexandre explica que a diferença térmica de mais de 2°C entre o centro de São Paulo e a Avenida Paulista, onde está a chegada, colabora para que os corredores sofram com o calor. Muitos atletas amadores precisaram de cuidados. O número de atendimentos deste ano está na média. Normalmente temos mais atendimentos por questões musculares, como cãibras, mas desta vez temos mais casos de desidratação. Apesar do calor, nenhum caso foi grave. A prova ser pela manhã ajuda muito - disse Alexandre.

A São Silvestre deste ano foi dominada pelos etíopes, aumentando o jejum brasileiro. Entre as mulheres, o título ficou com Ymer Ayalew. O homem mais rápido dos 15km de São Paulo foi Dawit Admassu.