Carioca supera atropelamento, muda hábitos e ganha "vício" nas corridas

22/01/2015 16:00

Participante da corrida de São Sebastião, Marcelo Valle larga o consumo de álcool e cigarro e não vê empecilho após ruptura do ligamento do joelho.

 

Quem vê o funcionário público Marcelo Valle hoje, nem imagina como era sua vida há algum tempo. Com 52 anos, o carioca que competiu na Corrida de São Sebastião nesta terça-feira, no Aterro do Flamengo, zona sul do Rio de Janeiro, já foi alcoólatra, fumante e usuário de droga. Hoje, porém, o seu vício é outro: correr. E as barreiras ultrapassadas por ele para conviver com o esporte foram grandes. Atropelado quando tinha 25 anos, sofreu com uma ruptura total dos ligamentos do joelho direito e viu-se obrigado a começar uma nova vida.

-  Comecei fazendo musculação, mas vi que não aguentava o ritmo puxado dos exercícios por ter fumado durante muito tempo. Conversando com um professor, ele me orientou o exercício aeróbico. Nisso, lembrei do ortopedista que me operou e disse que se eu conseguisse andar ou subir escada já era para me dar por satisfeito. Mas como não me entrego fácil, encarei e comecei caminhando. Depois, corridas leves até chegar a participar de várias meias maratonas - revela.

Foi justamente o acidente que alertou Marcelo. Antes do ocorrido, o máximo de contato que tinha com práticas esportivas era em partidas de futebol, peladas de rua. No entanto, cerca de quatro anos depois do atropelamento, a força de vontade falou mais alto. Mesmo sem muita informação, superou as possíveis dores no joelho e não desistiu nas dificuldades iniciais.

- Não tive muita ajuda, lia coisas sobre o assunto e botava em prática. Não tive problemas com dores no joelho, mas por não ter o costume de correr sofri muito no início com as chamadas canelites. Parecia que dava choque nas canelas, mas não desisti, e com o tempo o corpo se acostumou. Hoje, acho que meu corpo sente se eu não correr.

Com o costume de usar peças de roupa em alusão ao time que torce, o Botafogo, ele gosta e dá preferência paras as corridas longas, mas é eclético na hora de competir: 5, 10, 16 e 21k são provas que constam no currículo.