Com dinheiro público, Célio de Barros só será reconstruído depois da Copa

26/12/2013 15:06

Obras vão custar R$ 10 milhões e serão pagas pelo Ministério do Esporte; dirigente reclama de falta de vontade política, e secretário diz que o que faltava era dinheiro

Primeiro, o Estádio de Atletismo Célio de Barros foi salvo da demolição, assim como o Parque Aquático Julio de Lamare, ambos no Complexo do Maracanã. Agora, a luta é pela reconstrução do equipamento, cuja pista foi asfaltada para virar canteiro de obras do estádio. Em agosto, o Governo do Estado anunciou que os dois não seriam demolidos. Desde então, procurou-se o responsável pelo pagamento da reforma, estipulada em R$ 10 milhões. O Consórcio Maracanã e o Governo do Estado se livraram da responsabilidade, e o dinheiro sairá do Ministério do Esporte, dentro do programa elaborado pela pasta para construir uma pista de atletismo e uma piscina olímpica em cada federação do país.

De acordo com o presidente da Federação Estadual de Atletismo do Rio de Janeiro (Farj), Carlos Alberto Lancetta, para que o dinheiro seja liberado é preciso que o governo estadual se cadastre.

- Há falta de vontade política. Estão empurrando com a barriga para usar o Célio de Barros como estacionamento para a Copa.que a licitação para a escolha da empresa que vai executar a obra será lançada em janeiro. Como este período vai durar três meses, o Célio de Barros só começará a ser recuperado depois da Copa do Mundo de futebol, já que o Maracanã será entregue à Fifa dois meses antes da competição. De fato, o espaço será usado como estacionamento, como aconteceu na Copa das Confederações.
 

- Não houve falta de vontade política, mas falta de dinheiro do Governo – rebateu Lazaroni.O plano do Consórcio Maracanã era levantar no terreno do Célio de Barros um estacionamento com lojas. De acordo com Lancetta, alguns restaurantes já haviam comprado espaço no empreendimento. Sugeriu-se fazer uma pista suspensa, acima do estacionamento, inviabilizado pela existência da arquibancada.Secretário de esportes estadual, André Lazaroni avisa que o dinheiro já saiu e dias depois de o governador Sérgio Cabral anunciar que os equipamentos não seriam demolidos. A pista não existe mais, soterrada por uma camada de meio metro de cimento e aterro. A torre de controle foi derrubada, e a gaiola para lançamentos, danificada. Equipamentos como colchões e barreiras estão guardados em uma sala úmida sob as arquibancadas, que apresentam infiltrações.

Dentre os cinco atletas de nível olímpico que treinavam no Célio de Barros, três foram para São Paulo. Um dos que ficaram, Aldemir Barros virou militar e treina na Escola de Educação Física do Exército na Urca, Zona Sul do Rio de Janeiro.