Decisão é adiada, e Pistorius terá que esperar para ter liberdade condicional.

06/10/2015 06:34

Acusado de assassinato, velocista iria para prisão domiciliar após cumprir 5 meses da sua pena de dez anos. Comissão que examinará pedido de libertação vai se reunir.

O ex-campeão paralímpico Oscar Pistorius

, que cumpre uma sentença de cinco anos de prisão por matar sua namorada em 2013, ainda terá de esperar para obter uma libertação antecipada, indicou nesta segunda-feira (5) à AFP um de seus advogados.

Uma comissão encarregada de examinar o seu pedido de libertação deve se reunir ainda nesta segunda-feira. "Eu acredito que eles vão submeter a questão à Comissão de Libertação Antecipada", afirmou o advogado de Pistorius, Brian Webber.

Esta comissão havia decidido libertar Pistorius em 21 de agosto. Mas, no último minuto, o ministério da Justiça bloqueou a decisão e manteve Pistorius sob custódia.

A lei sul-africana permite aos condenados por homicídio culposo deixar a prisão após o cumprimento de um sexto da pena. Teoricamente, Pistorius poderia ser libertado a partir de 21 de agosto. 

Se deixar a prisão, deverá permanecer em detenção domiciliar e prestar serviços comunitários. 

Apelação

A saga judicial está longe de terminar. O Ministério Público recorreu da condenação de Pistorius, dizendo que ele deveria ter sido condenado por "assassinato" e não por "homicídio culposo", quando não há a intenção de matar. 

A audiência de apelação será realizada no dia 3 de novembro no Supremo Tribunal de Recurso, que pode alterar o veredicto e possivelmente condenar Pistorius a uma sentença mais pesada ou decidir manter o julgamento original. 

O atleta de 28 anos sempre declarou ter matado a sua namorada por engano, ao confundi-la com um ladrão.