Duda da Silva recebe a medalha de ouro em Sopot

09/03/2014 19:03

Mauro Vinícius Hilário Lourenço da Silva, o Duda, recebeu neste domingo 9 a medalha de ouro do Campeonato Mundial Indoor de Atletismo das mãos da italiana Anna Riccardi, integrante do Conselho da IAAF (Associação Internacional das Federações de Atletismo). Medalha personalizada, gravada com o nome do brasileiro.

O título foi conquistado neste sábado 8, ao vencer de maneira emocionante a prova do salto em distância, com 8,28 m, na Ergo Arena, em Sopot, Polônia. Foi a segunda vez que o atleta nascido em 26 de dezembro de 1986, em Presidente Prudente (SP), sobe ao degrau mais alto do pódio, ouve o Hino Nacional e coloca no pescoço o objeto de desejo dos competidores de alto nível.

O bicampeonato comemorado no pódio não foi mais tranquilo do que o primeiro para o brasileiro. Assim como ocorreu em Istambul, na Turquia, em 2012, sobrou emoção para Duda, que dedicou a vitória à mãe, Dona Iza, pelo Dia Internacional da Mulher.

"É bom ouvir o Hino Nacional e se emocionar. Passa um filme na cabeça, dá vontade de chorar", disse Duda. "Vou guardar para sempre esses momentos na minha memória."

A concentração demonstrada por Duda na competição foi impressionante. Na qualificação de sexta-feira, por exemplo, ele teve de esperar até o último momento para comemorar a classificação em sétimo lugar, com 8,02 m.

Na final, no sábado, foi para o último salto em quinto lugar, com 8,06 m. Saltou 8,28 m, igualou o ser recorde brasileiro indoor e assumiu a liderança da prova. Teve de esperar ainda o desempenho dos últimos três concorrentes antes de abrir as festas pelo bicampeonato mundial.

Muita emoção - A emoção de Duda começou, na verdade, antes de receber a medalha, neste domingo. Pela SporTV, ele conversou com a mãe Iza Lourenço e com o medalhista olímpico Claudinei Quirino. Duda chorou ao acompanhar as lágrimas da mãe. "Ele é um rapaz muito sério, é o filho que toda mãe gostaria de ter. É muito especial e estou chorando desde sexta-feira quando ele teve dificuldade para se classificar para a final", comentou a professora. "Sou uma pessoa que gosta de rir e de fazer todo mundo rir, mas é difícil deixar chorar", completou.

Claudinei Quirino, prata na Olimpíada de Sydney, no 4x100 m, em 2000, também se emocionou. "Conheço o Duda desde criança e aposto que o técnico Aristides Junqueira, o Tide, comemorou muito a conquista", disse o ex-velocista, que deu a primeira sapatilha de Atletismo a Duda, quando apareceu para treinar com um tênis de futsal, em Presidente Prudente.

Em resposta, o atleta lembrou que foi cumprimentado por Tide aos prantos no sábado. "Ele me disse que eu queria lhe matar do coração, que ele não tinha mais idade para sofrer", sorriu o bicampeão integrante das equipes brasileiras nas Olimpíadas de Pqeuim-2008 e de Londres-2012. "O Claudinei está na minha história, bem no começo de minha carreira."

Sem tempo para festas - Duda volta ao Brasil nesta terça-feira 11, às 6:05, pelo voo LH 0506 procedente de Frankfurt, na Alemanha, no Aeroporto Internacional de Cumbica, em Guarulhos. Menos de 24 horas depois, porém, já embarca para o Chile, onde será um dos representantes brasileiros nos Jogos Sul-Americanos de Santiago.

"Acabaram as competições indoor e agora começam os torneios ao ar livre. Vou tentar ir bem em Santiago e depois recomeçar os treinos para os demais campeonatos da temporada", lembrou o atleta, que se mudou este ano de São José do Rio Preto para São Paulo, a pedido da Confederação Brasileira de Atletismo.

Duda desembarca ao lado do técnico Aristides Junqueira, o Tide, que cuida de sua preparação há nove anos. "Ele é um atleta para dois ciclos olímpicos, pois é disciplinado, se cuida muito bem, mantém uma humildade real", diz o experiente treinador de 67 anos. "O objetivo é fazer com que ele chegue bem ao Mundial (ao ar livre de Pequim) no ano que vem e aos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro em 2016", finaliza.

Sobre a preparação de Duda para este Mundial da Polônia, Tide afirma que não mudou o plano original. "Mas algumas facilidades que tivemos foram importantes, como o treinamento que fizemos aqui na Europa", diz, referindo-se ao camping realizado pela Confederação Brasileira de Atletismo, com base no Centro de Treinamento de Jamor, em Portugal, desde 10 de fevereiro. "Quando você está num camping, todo seu foco vai para o que realmente interessa, neste caso era o Mundial Indoor", conclui, satisfeito.