Duda renasce após lesão e corre contra tempo em busca do tri mundial

14/02/2016 15:33

Maior nome do salto em distância do país retorna às competições depois de ficar fora das disputas em 2015. Agora, tenta recuperar título e garantir índice para Jogos.

Quando olha para o ano passado, Mauro Vinicius da Silva não nega que foram dias difíceis. Entre dores, cirurgia, recuperação e a perda das competições de peso da temporada, Duda, como é conhecido, não se permitiu desanimar. Nesse início de ano olímpico, o repertório é o mesmo que o manteve firme durante o período lesionado. Está confiante e trabalhando duro. O fim de semana marca sua volta em um torneio de salto em distância da Federação Paulista, em São Bernardo do Campo. Ele não quer pressão, afinal esse será seu retorno após meses longe de torneios - desde maio. No entanto, a receita para alcançar logo suas metas está definida. Estou bem focado nos meus objetivos. Estou trabalhando para entrar nas competições para fazer o índice para o Mundial Indoor. Na estrada para os Jogos Olímpicos do Rio, o ''pit stop'' no indoor é indispensável. Estou treinando na busca de duas coisas: ficar mais perto e melhorar a técnica para saltar mais longe. Aliar força e técnica - disse Duda.

Bicampeão mundial indoor, Duda está em uma corrida contra o tempo. Precisa alcançar o índice para a edição do campeonato em pista coberta deste ano para poder sonhar com o tricampeonato do salto em distância. Ele foi ouro em 2012 e 2014. Este ano, o palco será Portland, nos EUA, em março. A janela de obtenção da marca fecha no dia 7 de março. A gente não deseja e nem quer machucar, mas acontece. Ficamos triste. Mas estou empenhado e muito bem agora. Espero que esse índice saia logo para que eu consiga defender meu título de novo. Seria maravilhoso. Mais um feito inédito. O inédito do inédito - diz.

Caso consiga o índice para Portland, Duda conseguirá de quebra a garantia da marca para os Jogos Olímpicos. O índice para o Mundial Indoor é 8,18m, maior que para Rio 2016 (8,15m). No entanto, a janela de obtenção do índice olímpico se estende até o começo de julho.

Mauro Vinicius foi submetido a uma cirurgia após um corpo livre (cartilagem solta) ser encontrado em seu joelho esquerdo. Acredita-se que a origem pode ser por conta dos impactos sofridos. Sentiu dores intensas até ser operado. A partir daí, as dores se transformaram também em frustração. Teve que acompanhar o restante da temporada, que incluía Pan e Mundial, pela televisão. A família e os amigos foram a chave para não desanimar.

- O mais difícil foi saber que eu poderia estar lá brigando por medalhas. Eu tinha feito uma preparação muito boa, mas que acabou não servindo para nada. É chato, complicado. Apareceu um corpo livre no joelho, um fragmento de cartilagem. Até descobrirem, eu treinava com dores intensas. Mas, graças aos médicos do clube, não sinto nada. Consigo fazer todos os treinosAo lado do salto com vara e o revezamento 4x100m feminino do Brasil, Mauro Vinicius da Silva representa bons resultados brasileiros dentro do atletismo no ciclo que se iniciou em 2012. Após a modalidade se despedir de Londres sem pódios, ele sabe que a pressão será grande. Mas diz que costuma se dar melhor nesse tipo de cenário. Mostra confiança. 

- Estou me preparando cada vez mais. Meus amigos e as pessoas que convivem comigo falaram que sou o cara da pressão. Por isso, vou lá machucado e sou campeão do mundo. Isso faz parte. Nos Jogos do Rio, vai ter torcida. Lá fora é que é pressão. Aqui, vai ser torcida - disse.

Em 2014, Duda foi bicampeão mundial indoor na edição de Sopot, na Polônia. Na ocasião, saltou 8,28m. No ano passado, no Mundial de pista aberto na China, o britânico Greg Rutherford foi o medalhista de ouro, com 8,41m.