Especialista em balística alega erros em disparos na defesa de Pistorius

09/05/2014 16:28

Wollie Wolmarans contradiz a versão da polícia e afirma que Reeva Steenkamp não estava em posição de defesa. Segundo ele, modelo se dirigia para porta de banheiro.

Um especialista de balística deu o seu testemunho de defesa no julgamento de Oscar Pistorius, nesta sexta-feira, em Pretória, alegando um erro na ordem dos tiros que mataram Reeva Steenkamp. Segundo Wollie Wolmarans, a modelo se dirigia à porta do banheiro sofreu os disparos, negando que ela estaria em posição de defesa, confirme indicado pelas investigações da polícia sul-africana.

Para confirmar a sua versão, ele apresentou um estudo que mostra a sequência da trajetória de Reeva, contrariando a afirmação de que ela estaria com as mãos no rosto como forma de proteção.

Wolmarans tentou provar no tribunal que o multicampeão paralímpico teria confundido a modelo de 29 anos com um ladrão. Segundo ele, Reeva estaria com o corpo levemente inclinado para a frente quando foi atingida pelo primeiro no quadril. Os outros tiros foram no braço, na mão e, o último, na cabeça. A acusação defende que Pistorius sabia que a namorada estava no banheiro e, mesmo assim, disparou a sua arma 9mm.

Iniciado no dia 3 de março, o julgamento de Pistorius já teve duas paralisações. Na madrugada do dia 14 de fevereiro de 2013, Oscar Pistorius atirou quatro vezes na namorada, a modelo Reeva Steenkamp, pela porta do banheiro de sua casa. Ele alega tê-la confundido com um ladrão. Caso seja considerado culpado, o sul-africano pode pegar pena de 15 anos à prisão perpétua, com direito a solicitar liberdade condicional depois de 25 anos.