Ex-chefe da Wada diz que atletismo é pior que a Fifa e chama Coe de "lixo"

09/01/2016 11:31

Canadense Dick Pound não poupa nas críticas ao presidente da Associação Internacional de Federações de Atletismo (IAAF) e também ao ex-atleta Serguei Bubka.

O escândalo de doping e corrupção que corrói o atletismo mundial ganhou mais uma opinião nesta sexta-feira. Ex-presidente da Agência Mundial Antidoping (Wada), Richard "Dick" Pound, garantiu que a sujeira na entidade é pior do que a da Fifa e usou a palavra lixo para falar sobre os atuais dirigentes da Associação Internacional de Federações de Atletismo (IAAF). O canadense é o presidente da comissão independente da Wada que em novembro do ano passado divulgou o esquema de doping no atletismo russo, que culminou com a suspensão dos atletas da Rússia das competições internacionais.

- Nunca vi presidentes de federações internacionais tão envolvidos na corrupção. Na IAAF, essas pessoas não estão ligadas apenas às finanças, como é na Fifa. Assim, nesse sentido, podemos dizer que é pior. Temos menos dinheiro em jogo, mas em relação aos resultados esportivos é muito pior. Vocês precisam ver o que esses lixos fizeram - disse Pound à AFP.

Membro da IAAF são acusados de esconder o esquema de doping na Rússia. Com a pressão externa, a entidade optou pela punição aos russos, que correm o risco de ficar fora do Rio 2016. A AFP garante que no dia 14 de janeiro a segunda parte do relatório será divulgada e pegará em cheio os atletas do Quênia, líder do quadro de medalhas do atletismo no Mundial de Pequim, em agosto de 2015.

- Sebastian Coe (presidente da IAAF) e Serguei Bubka (ex-atleta olímpico) já estavam lá na entidade. A IAAF é uma organização do século XXI comandada como no século XIX. Eles tinham a chance de resolver os problemas há muito tempo - discorreu Pound.

A comissão de ética da IAAF (Federação Internacional de Atletismo) anunciou na manhã desta quinta-feira o banimento de três funcionários, entre eles Massata Papa Diack, filho do presidente da entidade. O motivo seria o envolvimento do citado nos recentes casos de doping e corrupção na Federação. Os outros suspensos foram os russos Valentin Balakhnichev, tesoureiro da entidade até 2014, e Alexei Melnikov, ex-presidente da Federação Russa.