Flávia é bronze nos 800m; Rosângela fica fora do pódio nos 100m e chora

23/07/2015 07:09

Paranaense Flávia de Lima acelera no fim e termina prova em terceiro com melhor tempo da carreira; Rosângela Santos termina em quarto e não contém a emoção.

O sorriso de uma contrastava com o choro de outra. Na mesma noite, no mesmo estádio, atletas brasileiras viveram sentimentos distintos e igualmente à flor da pele nas disputas do atletismo nos Jogos Pan-Americanos de Toronto. Flávia de Lima foi medalha de bronze nos 800m, prova em que o país não tem tanta tradição no feminino. Nos 100m, prova de mais expectativa, Rosângela Santos ficou na quarta colocação, sem o pódio, e não conseguiu segurar as lágrimas. Também na final da distância, Ana Cláudia Lemos foi a sétima.

Após entrar na reta final da prova dos 800m na quarta colocação, a paranaense Flávia de Lima se superou, ultrapassou a cubana Rose Mary Almanza e garantiu o bronze com o melhor tempo de sua carreira: 2m00s40. A vitória na prova ficou com a canadense Melissa Bishop (1m59s62), seguida da americana Alysia Montano (1m59s76). A atleta celebrou o pódio e fez planos para o futuro. Na preparação pessoal, está fazendo mudanças. 

- Briguei bastante, consegui melhorar minha marca. Meu objetivo, até o ano que vem, é conseguir quebrar o recorde brasileiro - celebrou Flávia.

+ Jogador da NFL fica com a prata do salto em distância no Pan de Toronto
+ Queridinho dos canadenses, astro De Grasse é ouro nos 100m no Pan

A corredora brasileira treina em Uberlândia, mas disse que está saindo da cidade mineira por conta do fechamento do centro nacional de treinamento local. O novo local de treinamento será Manaus, ao lado de seu técnico, Luiz Alberto de Oliveira. A Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt), no entanto, afirma que ainda existe negociação com o Ministério do Esporte para renovar os convênios desses centros até o prazo de 31 de julho.

SEM PÓDIO NOS 100M

Pouco depois, foi a vez da final dos 100m feminino. Na semi, Rosângela Santos já tinha mostrado que estava bem. O tempo de 11s01, segundo melhor das eliminatórias, seria seu recorde pessoal, mas acabou não sendo validado por conta do forte vendo no momento da prova. Na decisão, a brasileira largou bem e brigou com as primeiras colocadas até o fim. Porém, os 11s04, que igualaram sua melhor marca da carreira, não foram suficientes para ir ao pódio.

Por três centésimos, Rosângela não tirou a medalha de bronze da americana Barbara Pierre (11s01), que liderou a maior parte da prova, mas perdeu forças nos últimos metros. O ouro ficou com a jamaicana dona de três medalhas olímpicas, Sherone Simpson (10s95). A medalha de prata foi para a equatoriana Angela Tenorio, que anotou 10s99 e alcançou um feito: quebrou o recorde sul-americano que pertencia a Ana Cláudia Lemos (11s01) e se tornou a primeira mulher do continente a correr os 100m abaixo dos 11 segundos.

Apesar de ter igualado sua melhor marca, Rosângela Santos deixou a pista bastante decepcionada e não conseguiu segurar o choro. 

- Eu estou muito decepcionada comigo mesma. Sabia que eu tinha condições de fazer abaixo do meu melhor, estava pronta para isso. Mas eu não fiz. Erro meu, as meninas correram mais. Agora, vou treinar para tentar ajudar o revezamento a ganhar uma medalha... Acho que eu não tive paciência, me desesperei. Vi a prova indo embora, deslocando e eu não consegui manter a calma e fazer o que eu tinha que fazer. Foi isso que pesou para mim. Mas, de certa forma, ainda estou satisfeita em parte por ter repetido o melhor tempo da minha carreira novamente. Agora é trabalhar porque não acabou, tem revezamento e depois vou tentar baixar esse tempo no Mundial - afirmou Rosângela.

+ Veja agenda completa com programação dos Jogos Pan-Americanos
+ Saiba como está o Brasil no quadro de medalhas do Pan 2015

Antiga detentora do recorde sul-americano dos 100m, Ana Cláudia Lemos não foi bem. Após passar pela semifinal com apenas o sexto melhor tempo (11s13), foi ainda pior na decisão e, com 11s15, ficou apenas com a sétima colocação.

- Óbvio que eu gostaria de sair com meu melhor resultado e correr abaixo dos 11s, mas, infelizmente, não consegui. Vou continuar treinando e trabalhando duro para isso. Um fato legal de ressaltar é que a menina do Equador bateu meu recorde sul-americano (11s01). A primeira menina da América do Sul a correr 10s99 com vento válido. Ganhar e perder faz parte do jogo. Hoje não saio vitoriosa, mas não saio triste - disse Ana Cláudia, que ainda compete os 200m e o 4x100m.

Montanha perde medalha no critério de desempate

No arremesso de martelo, Wagner Domingos, o Montanha, ficou bem perto de subir no pódio do Pan de Toronto. Ele e o medalhista de bronze, o americano Conor McCullogh, conseguiram a mesma marca de 73,74m. Como o critério de desempate afirma que a segunda melhor marca desempata, Montanha ficou com a quarta colocação. Ele havia feito 71,71m, enquanto o oponente alcançou 73,19m. O ouro ficou com Kibwe Johnson (75,46m), e o cubano Roberto Janet levou a prata (74,78m).