IAAF encontra 32 casos adversos em testes dos Mundiais de 2005 e 2007

11/08/2015 17:02

Em meio aos questionamentos de doping, entidade que rege o atletismo mundial 
divulga que exames foram refeitos com mecanismos mais modernos este ano.

A Federação Internacional de Atletismo (IAAF) divulgou nesta terça-feira que refez nos últimos meses exames em alguns atletas que disputaram os Mundiais de Helsinque 2005 e Osaka 2007. De acordo com a entidade, desta vez, foram usadas tecnologias mais avançadas que detectaram 32 resultados considerados adversos em 28 competidores. A revelação vem em meio aos questionamentos e acusações de que a IAAF estaria encobrindo casos de doping. 

Em nota, o órgão que rege a modalidade disse que a maioria dos esportistas em questão está aposentada. Além disso, informou que nenhum desses competidores estará no Mundial deste ano, que começa no dia 22 de agosto, em Pequim. Os exames teriam começado a ser analisados novamente desde abril deste ano. Uma mudança no código mundial antidoping estendeu de 8 para 10 anos o período em que as amostras podem ser testadas. O anúncio veio em meio a uma polêmica mundial envolvendo a IAAF. Há quase duas semanas, reportagens do jornal britânico "Sunday Times'' e da TV alemã ''ARD'' apontavam que um terço das medalhas (146, sendo 55 de ouro) dos grandes eventos, como Mundiais e Olimpíadas, entre 2001 e 2012, foram conquistadas por competidores com testes suspeitos. Dez dessas 146 medalhas foram distribuídas nos Jogos de Londres, em 2012.  A entidade é apontada por encobrir casos e nega.