Júlio César ganha bronze no lançamento do dardo em Toronto

25/07/2015 11:40 Júlio César de Oliveira ganhou nesta sexta-feira (dia 24) a 11ª medalha para o Atletismo do Brasil nos Jogos Pan-Americanos de Toronto. Ele foi bronze no lançamento do dardo, com a marca de 80,94 m, no penúltimo dia de competições no Estádio da York University.

Feliz com a conquista, ele lamentou apenas ter queimado a sexta e última tentativa, quando conseguiria um resultado ainda melhor. "Meu objetivo era o pódio. Acreditei sempre e no último lançamento fui com tanta vontade que acabei errando. Sei que posso melhorar minha técnica e espero alcançar pelo menos 85,00 metros em Pequim", disse o atleta, referindo-se ao Campeonato Mundial da China, em agosto.

Campeão mundial de menores (até 17 anos) em Sherbrooke, também no Canadá, em 2003, Júlio César comemora o bom momento de sua carreira. "Quebrei duas vezes o recorde brasileiro este ano e é certamente meu melhor momento como adulto. Isso só me dá mais confiança ainda para buscar a superação", comentou o lançador, que tem 83,67 m na prova. 

Medalha de ouro olímpico, Keshom Walcott, de Trinidad y Tobago, foi o campeão, com 83,27 m. A prova foi para o norte-americano Riley Dolezal, com 81,62 m.

Os integrantes dos revezamentos feminino e masculino do 4x100 m do Brasil também comemoraram na pista. As duas equipes passaram para as finais deste sábado (25). O grupo de Vitória Cristina Rosa, Vanusa dos Santos, Bruna Farias e Rosângela Santos terminou em 3º lugar na primeira série, com 43.24.

"Fomos pegas de surpresa no aquecimento quando nos informaram que em vez da segunda série disputaríamos a primeira. Essas coisas não são boas, mas alcançamos o primeiro objetivo que era passar para a final", disse Rosângela. "Superamos a ausência da Ana Cláudia, que é muito importante na equipe", disse, referindo-se à Ana Cláudia Lemos, que sofreu uma lesão muscular nas semifinais dos 200 m. "Vamos conversar, ver os erros de passagem de bastão e ouvir o Nakaya (técnico Katsuhico Nakaya) para brigar por uma medalha", concluiu.

Alívio - A classificação do grupo masculino, formado pela ordem por Gustavo dos Santos, Vitor Hugo dos Santos, Aldemir Gomes Junior e Bruno Lins, demorou um pouco mais para ser comemorada. A equipe terminou em 4º lugar na segunda série e entrou na final por tempo. 

"Foi um alívio. Optamos por fazer passagens mais seguras de bastão e tivemos de esperar o resultado pelo telão do estádio", lembrou Vitor Hugo. "Podemos melhorar muito porque na final temos de ir com tudo", completou Bruno Lins, integrante do grupo que conquistou o tricampeonato do PAN, em Guadalajara, em 2011.

Na primeira série semifinal, Antigua e Barbudas bateu o recorde da competição, com 38.14. A melhor marca anterior era do Brasil, com 38.18, desde a edição de 1999, em Winnipeg, também no Canadá.

Nas outras finais do dia, Tatiane Raquel da Silva terminou em 6º nos 3.000 m com obstáculos, com 10:10.73. Juliana Paula dos Santos, ouro nos 5.000 m, caiu na última volta, quando ocupava a 3ª colocação. "Quando vi, estava no chão. Não tive força na perna ao passar um obstáculo e não consegui continuar", disse. "Não quero que essa queda me amedronte. É a terceira prova da especialidade que disputo e tenho que dar mais uma chance para ela", concluiu.

Nos 1.500 m, Thiago André foi 8º (3:43.71) e Carlos Antonio dos Santos o 9º (3:44.36). No salto em distância, Keila Costa terminou em 9º, com 6,41 m (2.7) e Eliane Martins em 10º, com 6,40 m (1.4).

No heptatlo, após as quatro primeiras provas, Vanessa Spinola está na 2ª colocação, com 3.711 pontos, enquanto Tamara Alexandrino ocupa a 8ª, com 3.422. A liderança é da cubana Yorgelis Rodriguez (3.781) e o 3º lugar é da norte-americana Heather Miller (2.005).