O Raio voltou: Bolt vence Gatlin por 1 centésimo e é tricampeão dos 100m

23/08/2015 17:49

Astro da velocidade volta a surpreender nas pistas e mantém seu reinado em uma 
disputa acirrada no Campeonato Mundial de Pequim. Jovens dividem bronze.


Não chegar como favorito era uma novidade para Usain Bolt. Por mais que tivesse a torcida a favor, por mais que tivesse o mais vitorioso histórico de um velocista, os números não mentiam. Desta vez, Justin Gatlin estava mais rápido, estava sobrando nas provas. Mas lendas não surgem à toa, não se sustentam em vão. No Ninho do Pássaro, palco em que há sete anos se firmou como o homem mais rápido do planeta, o jamaicano voou como nunca. Não teve margem, não teve folga nem recorde, mas teve a certeza de que ainda é o cara a ser batido. Com 9s79, Usain Bolt deixou o americano, as dúvidas e desconfianças para trás e sagrou-se tricampeão mundial dos 100m. Estampou um sorriso que refletia um alívio descomunal, do tamanho de sua grandiosidade nas pistas de atletismo.

- Definitivamente foi minha prova mais difícil. A temporada inteira foi dura, com Justin correndo muito bem, sendo rápido. Eu sabia que não seria fácil. Estou feliz que consegui, estou orgulhoso. Eu nunca duvidei que poderia. Como um atleta top, se você duvidar de você mesmo, já perde a corrida. Eu nunca duvido, conheço minha habilidade. Não foi uma corrida perfeita, mas consegui e fiz acontecer - celebrou Bolt

+ Assista aos vídeos do Mundial de Atletismo

O resultado da noite deste domingo (horário da China) mostra como Bolt cresce nos momentos decisivos, nas grandes competições. Até esta final, o Raio havia acumulado tropeços. Literalmente. Se ao longo do ano somou resultados fracos e só baixou da casa dos 10s na etapa de Londres da Diamond League, nas semifinais deste domingo o jamaicano quase caiu.Atrapalhou-se logo após a largada e precisou fazer uma prova impressionante de recuperação na mais forte das baterias classificatórias. Incrivelmente, fez 9s96 e avançou à final com a melhor marca da tomada de tempo.

Gatlin, por outro lado, voava. Acumulou os quatro tempos mais rápidos do ano antes de pisar em Pequim. No Ninho do Pássaro, sobrou nas eliminatórias mesmo iniciando a freada cerca de 20 metros antes da linha de chegada. Nas semifinais cravou 9s77, tempo que lhe daria o título mundial em todas as edições do campeonato, exceto 2009, quando Bolt estipulou o ainda vigente recorde mundial de 9s58.

Fotos: os momentos da final histórica dos 100m rasos em Pequim

O esporte, no entanto, não é uma ciência exata. Está aberto a exceções e surpresas constantes. A primeira delas veio logo na classificação dos finalistas. Empatados com 9s99 nas eliminatórias, Andre de Grasse, Jimmy Vicault e Bingtian Su passaram para as semifinais pelo tempo de classificação – a organização não divulgou os milésimos de cada um. Com isso, a final masculina teve nove atletas pela primeira vez na história. 

No estádio, os chineses não escondiam a torcida por Bolt. O telão passou o vídeo da final de 2008, quando ele sagrou-se campeão olímpico pela primeira vez. Durante a apresentação dos atletas, as câmeras focaram nele mais do que em qualquer outro atleta, mostrando suas caras e bocas. Bolt tentava disfarçar qualquer sinal de tensão ou medo com sua habitual descontração.

Quando o tiro foi dado, ele levou 0s159 para reagir. Marca surpreendente se comparada à de Gatlin, que tem a largada como ponto forte e, desta vez, levou 0s165 para sair do bloco. Sem sua melhor arma, o americano não teve pique para superar o ritmo de Bolt. Ficou com a prata com 9s80. Os jovens Treyvon Brommel, dos Estados Unidos, e Andre De Grasse, do Canadá, dividiram o bronze com 9s92.

- Acho que no fim de tudo ainda mostrei minha força, minha competitividade. Os últimos metros foram cruciais. Ele (Bolt) teve mais equilíbrio - analisou Gatlin, de 33 anos.

Por conta do passado de Gatlin ligado ao doping e punições, o velocista americano  foi questionado sobre o que diria para as pessoas que acreditam que seu revés foi uma vitória do ''esporte limpo''. Com ironia, se disse agradecido. 

O astro jamaicano segurou as passadas firmes até o cronômetro parar em 9s79, sua melhor marca desde 2013. Aliviado, deu a volta olímpica e fez a tradicional comemoração do arqueiro. Sim, senhoras e senhores. Usain Bolt ainda é o homem mais rápido do mundo.

O Raio ainda volta a voar nas pistas do Mundial de Pequim ao longo da semana. Ele disputa a prova dos 200m e o revezamento 4x100m. Bolt volta a correr nas eliminatórias de terça-feira.

Confira a classificação final da prova dos 100m: 

1- Usain Bolt (JAM) - 9s79
2- Justin Gatlin (EUA) - 9s80
3 - Treyvon Bromell (EUA) - 9s92
     Andre De Grasse (CAN) - 9s92
5 - Mike Rodgers (EUA) - 9s94
6 - Tyson Gay (EUA) - 10s
7 - Asafa Powell (JAM) - 10s
8 - Jimmy Vicaut (FRA) - 10s
9 - Bingtian Su (CHN) - 10s06