Pastor cria polêmica com foto na casa de Pistorius e contradiz porta-voz

27/05/2014 22:12

Segundo Anneliese Burgess, atleta passou o dia no hospital psiquiátrico, no entanto, Robert Kendall diz que almoçou com Oscar, em Pretória, na última segunda-feira

No primeiro dia em que se submeteu a uma série de testes no hospital psiquiátrico de Weskoppies, em Pretória, Oscar Pistorius viu seu nome envolvendo em uma polêmica. Os exames vão indicar qual era o seu real estado de sanidade no momento em que ele matou a namorada, a modelo Reeva Steenkamp, no ano passado. A porta-voz da família do atleta paralímpico, Anneliese Burgess, confirmou que o sul-africano passou a segunda-feira sob os cuidados médicos, negando que ele estivesse em casa. Entretanto, uma foto postada pelo pastor americano Robert Tillman Kendall contradiz a informação, já que mostra um encontro supostamente ocorrido na mesma tarde.

- Esse encontro aconteceu no final de semana. Oscar passou o dia inteiro no Weskoppies ontem (segunda-feira), cumprindo a ordem judicial - disse Burgess para o jornal local "Time Live". O pastor americano, por sua vez, afirmou que almoçou na casa de Pistorius na última segunda-feira e ainda pediu para que os fiéis rezassem pelo atleta, dono de oito medalhas nos Jogos Paralímpicos, sendo seis de ouro.

- Oscar Pistorius me ofereceu um almoço em sua casa em Pretória, na África do Sul. Por favor, por favor, rezem por ele - disse o Pastor em seu perfil no Twitter.

Durante estes 30 dias, o biamputado terá de se apresentar diariamente no hospital, sempre às 9h, horário local. Neste primeiro dia e em todos os outros, ele será conduzido até o local por uma unidade policial. A avaliação durará cerca de um mês e foi determinada pelo juíz Thokozile Masipa, que interrompeu o julgamento de Pistorius até o parecer sobre seu estado psiquiátrico. Os envolvidos com o caso só retornarão ao tribunal no dia 30 de junho.

Na madrugada do dia 14 de fevereiro de 2013, o astro sul-africano atirou quatro vezes em Reeva, pela porta do banheiro de sua casa. Ele alega tê-la confundido com um ladrão, enquanto a promotoria defende a ideia de que foi um assassinato premeditado. Caso seja considerado culpado, Pistorius pode pegar pena de 15 anos a prisão perpétua, com direito a solicitar liberdade condicional depois de 25 anos.