Preso à esposa, empresário sem visão troca esteira por rua e diminui tempo

31/10/2013 16:59

 

Há um ano, para ter segurança na primeira corrida fora de casa, Marcelo Prado tem a mão amarrada à da esposa. Domingo ele vai correr o 4º circuito

No carnaval de 2012, o consultor de gestão de empresas, Marcelo Prado, descobriu que poderia ser um corredor de rua com menos de 1% da visão. O fato ocorreu durante férias no Rio de Janeiro, quando Marcelo recebeu da esposa um convite para correr no calçadão. No início pareceu algo impossível, mas logo percebeu que os cinco anos dedicados às atividades físicas dentro que quatro paredes poderiam ir além das esteiras e dos aparelhos de musculação. Além da autoconfiança, o resultado são medalhas e participações em competições.

e esquenta

Esse foi apenas um dos obstáculos vencidos pelo administrador. As dificuldades do dia a dia e, talvez, a mais difícil de se adaptar, surgiu muito cedo. Ainda criança, aos oito anos, a família descobriu que ele tinha retinose pigmentar.

É como se fosse um envelhecimento acelerado da retina. Nessa idade, tinha apenas 50% da visão – lembrou.

E na infância, a vida esportiva foi prejudicada. Marcelo conta que era bom de bola, mas depois foi colocado de lado.

- Fazia escolinha e no mirim era titular do time. Aos poucos a visão foi piorando, fui para reserva e, até os 13 anos, era um menino triste. Com isso, fui perdendo um pouco o contato com as pessoas – explicou.

Enquanto a visão piorava, Marcelo descobria formas de se beneficiar diante de outros colegas de escola. A audição e a memória ficaram aguçadas e contribuíram bastante para vida acadêmica. Dos 17 aos 30 anos, a visão de Marcelo estabilizou em 30%, porém, um procedimento cirúrgico feito fora do país agravou a doença.

- Na verdade foi uma tentativa de melhorar. Tinha alguns estudos feitos em Cuba que mostravam que poderia curar. Quando cheguei ao local, percebi que estrutura era rudimentar, fiquei três semanas, mas acabou que piorou de 30% para 1% - disse.
Esporte

Depois dos 30 anos, Marcelo Prado percebeu que o trabalho ou até mesmo os problemas do dia a dia geraram estresse. Então, procurou um médico para tentar solucionar o problema. Remédios e atividade física foi a melhor saída.

- Na época tinha uma vida muito puxada e corrida. Fui ao médico, que constatou um estresse enorme e fui fazer tratamento. O médico também indicou fazer uma hora de caminhada todo dia. Comecei a caminhar aos 33 anos e parei aos 50 – falou.

No entanto, ele não parou a atividade para ter uma vida sedentária ou devido a algum problema de saúde. Pelo contrário: Marcelo optou em intensificar os treinos. Comprou aparelhos de musculação, montou a própria academia em casa e contratou um personal trainer.

- Nessa fase dos 33 aos 50 anos, pesava uns 87 quilos e tenho 1,75 m de altura. Quis melhorar meus treinos para entrar em forma, montei meu próprio estúdio e tive orientação de um profissional. Tem quase sete anos que treino duas horas diárias, entre corridas e musculação – disse.

Até o carnaval de 2012, Marcelo só praticava corrida na esteira em virtude da visão. Foi quando neste período, durante férias no Rio de Janeiro, que a esposa Kamila Prado o convidou para correr no calçadão. Para dar segurança a Marcelo, a esposa amarrou sua mão a dele com um cadarço.

Na primeira oportunidade de correr fora da academia, Marcelo percebeu que o desenvolvimento foi superior. Na esteira, corria 10 km em 1h15m. Correndo ao lado da esposa, o tempo diminuiu em quase 15 minutos.
- Depois disso, alguns organizadores de corrida disseram para mim que corria bem e com isso foram surgindo convites de corrida. Fiquei mais motivado e agora sempre estou correndo na rua – finalizou.

Marcelo conta que não é daqueles corredores de ruas 'viciados' na atividade. Aos 57 anos, ele se considera apenas um atleta disciplinado. Equilibra os treinos diários com a vida social que envolve o convívio com a esposa, filhos e também aos prazeres da culinária. O corredor evita frituras, refrigerantes, comidas gordurosas, entretanto, não abre mão de um bom churrasco com vinho. Conseqüentemente os ‘quilinhos’ indesejados foram perdidos. De 87 kg, Marcelo Prado oscila entre 76 e 78 quilos.

Em 2013, Marcelo Prado participou de três corridas e o próximo compromisso é neste domingo, na Uberlândia 10 Milhas.