Próximo de julgamento por matar a namorada, Pistorius quebra o silêncio

14/02/2014 13:47

Análise do caso do campeão paralímpico está marcado para acontecer de 3 a 20 de março em Pretória. Atleta afirma que foi acidente, mas investigações dizem o contrário

Acusado de matar a própria namorada um ano atrás, o campeão paralímpico Oscar Pistorius utilizou o seu site oficial para quebrar o silêncio. Em um texto curto, o atleta, que responde o processo em liberdade condicional, classificou a morte da modelo Reeva Steenkamp, de 29 anos, como um "acidente devastador". Na fase inicial do processo, Pistorius e seus advogados afirmaram que Reeva foi baleada ao ser confundida com um ladrão, mas investigações indicam que o casal teria discutido antes da tragédia em sua casa localizada em um condomínio de luxo, em Pretória, na África do Sul.

- Não é possível explicar com palavras meus sentimentos a respeito do acidente devastador que causou tanta tristeza a todas as pessoas que amam de verdade e continuam amando Reeva. A dor e a tristeza, sobretudo dos pais, da família e dos amigos de Reeva, me consomem dolorosamente. Terei que viver durante o resto de minha vida com a perda de Reeva e o enorme trauma daquele dia - diz a mensagem de Oscar Pistorius, que será julgado dos dia 3 ao dia 20 de março.

Depois de um período de mais de um ano sem utilizar sua conta em um microblog, o velocista sul-africano utilizou o espaço para promover a mensagem em seu site.

- Algumas palavras do fundo de meu coração - publicou.entenda o caso


No dia 14 de janeiro de 2013, Oscar Pistorius deixou sua casa em Pretória escoltado por autoridades como principal suspeito de matar a sua namorada, a modelo Reeva Steenkamp, naquela madrugada. Em depoimento, o atleta alegou que ouviu barulhos e efetuou os disparos de arma de fogo após confundir a companheira com um ladrão. A promotoria, no entanto, acredita que o crime foi premeditado e executado após uma discussão do casal. Após uma semana de audiências, o juiz Desmond Nair garantiu a fiança ao medalhista paralímpico e anunciou que ele responderia pela morte de Reeva em liberdade.