Rosângela estreia na Diamond League e tenta seguir voando na temporada

30/05/2015 16:36

Brasileira disputa prova de 100m, ao lado de Ana Cláudia, em sua primeira prova no principal circuito do atletismo mundial. Etapa ainda terá Keila Costa e Augusto Dutra.

 
Rosangela Cristina Oliveira Santos. É assim, sem acento e com um sobrenome desconhecido do grande público, que aparece o nome da velocista brasileira na lista de inscritos da etapa de Eugene da Diamond League. Neste sábado, na cidadeAMERICANA, Rosângela tenta dar mais um importante passo rumo aos Jogos Olímpicos de 2016. Com a expectativa de voltar a bater a melhor marca da carreira (11s08), alcançada há duas semanas no Troféu Brasil, a carioca estreia no principal circuito do atletismo mundial, tendo ainda a compatriota e recordista sul-americana Ana Cláudia Lemos como companheira de bateria nos 100m rasos. Rosângela vê 2015 como um ano decisivo em sua carreira. Após quase um ano e meio morando e treinando nos Estados Unidos, a brasileira colheu os primeiros frutos do trabalho com a técnica Amy Deem ao correr a prova mais nobre do atletismo com seu melhor tempo. Os 11s08 a garantiram no Mundial de Atletismo (agosto, em Pequim) e nos Jogos Olímpicos do Rio 2016. Rosângela também estará nos Jogos Pan-Americanos de Toronto, em julho. 

Deste ponto em diante, a carioca espera que o resultado desta nova metodologia de treinamento resulte em uma ascensão gradual e contínua. E correr ao lado de atletas estrangeiras de ponta faz parte desta estratégia. Uma comparação com a evolução de outros brasileiros do atletismo usada para mostrar a importância desse tipo de trabalho. Os saltadores já demonstraram que, competindo forte, você acostuma com quem você vai competir. E isso é o que falta para a gente, para os velocistas, principalmente. Porque a gente só compete entre a gente. Eu corro com a Ana Claudia, eu corro com a Fran (Franciela Krasucki), aí corre todo mundo junto. Era assim basicamente o ano inteiro. Então às vezes quando a gente chega numa competição grande, a gente não conhece a menina, não sabe o comportamento dela na competição. Ter competidores mais fortes foi um dos fatores de ir para os EUA. Então você aprende a correr mais forte, você enfrenta pessoas mais fortes, e isso te dá confiança a mais.

Na mesma prova em que as brasileiras competem, porém em outra bateria, válida para a Corrida Diamante (que soma a pontuação dos atletas em uma espécie de ranking para definir um campeão da temporada), haverá o duelo entre as medalhistas olímpicas Shelly-Ann Fraser-Price e Carmelita Jeter. Mesmo sem enfrentá-las, Rosângela acredita que acompanhar a agenda das grandes estrelas do esporte mundial é fundamental para que não haja qualquer tipo de intimidação.

- Tem gente que imagina que vai correr com o Bolt e já fica nervoso, e não deve. Se você está ali entre os oito você tem que tentar ganhar a prova, independentemente de quem esteja do seu lado. É essa vivência que os velocistas precisam ter mais. A Diamond proporciona muito. Essa já é uma oportunidade muito grande, porque todas as que vão competir são na casa de 11s00, 10s90, então vamos ver no que vai dar.

No início do mês, tanto Rosângela quanto Ana Cláudia ajudaram o revezamento 4x100m brasileiro a garantir a vaga olímpica com o sexto lugar no Mundial das Bahamas. Elas correram ao lado de Franciela Krasucki e Vanusa dos Santos. A equipe comanda pelo técnico Katsuhico Nakaya é uma das esperanças do país por bons resultados em 2016. 

Mais brasileiros e outros destaques de Eugene
Além das corredoras, dois saltadores também representarão o Brasil no evento, que a marca a terceira etapa do circuito. Keila Costa compete no salto triplo ao lado de nomes expressivos, como a colombiana medalhista olímpica de prata e atual campeã mundial Caterine Ibargüe e a ucraniana Olha Saladuha, bronze em Londres e campeã mundial de 2011. Augusto Dutradisputa o salto com vara em prova com a presença do campeão olímpico Renaud Lavillanie (França) e do campeão mundial Raphael Holzdeppe (Alemanha).  

Eugene também terá como destaques vários astros do atletismo mundial no estádio Hayward Fied. Os velocistas americanos Ryan Bailey e Tyson Gay, que recentemente perderam a medalha olímpica dos revezamento 4x100m, estarão nos 100m ao lado do jamaicano Nesta Carter. A corrida não soma pontos para a disputa da Diamond Race. Na competição dos 200m masculino, a maior atração é Justin Gatlin, campeão olímpico dos 100m em 2004. Dono dos melhores tempos do mundo destas duas provas na última temporada, ele ainda contará com o apoio da torcida local. O jamaicano Nickel Ashmeade também correrá a prova. 

No salto em altura, o principal nome é Mutaz Barshim, do Catar, medalhista de bronze nos Jogos Olímpicos de Londres 2012 e campeão mundial indoor em Sopot 2014. Ano passado, ele saltou 2,43m, se tornando o atleta a chegar mais perto do recordista mundial de Javier Sotomayor, que já 2,44m e 2,45m.